Domingo é sinónimo de hygge

fevereiro 18, 2018
4e174161b3ee18a621629685f1855afc.jpg

Domingo é sinónimo de relaxar e descansar. Sem pressas nem correrias, sem preocupações durante o dia, acordar tarde e deixar a cama por fazer, preparar um brunch e fazer maratonas no sofá com uma manta, lareira acesa e chocolate quente (ou, para quem prefere, um chá) na companhia de um bom livro ou de um bom filme. Estão a ver? 


O povo mais feliz do planeta está a contagiar-nos com o segredo para apreciar os bons prazeres da vida. Já devem ter visto por aí que os dinamarqueses descobriram o segredo da felicidade: chama-se Hygge (pronuncia-se huga) e, tal como a palavra portuguesa "saudade", não tem tradução - é assim uma espécie de aconchego que sentimos, na companhia das pessoas que mais gostamos, ou sozinhos. Antes de pensarem "isto é mais uma daquelas manias da decoração em que acham que tem tudo uma grande ciência"  dêem uma oportunidade a vocês próprios e leiam mais umas linhas à frente. 

Podemos traduzi-la por uma espécie de aconchego, mas dizem os especialistas – e quem ensina o conceito – que é muito mais do que isso. Bem aplicado, insistem, é mesmo toda uma filosofia de boa vida – e isso é o que o mundo está a querer copiar: no ano passado, foram lançados vários livros sobre o assunto. Um deles, O Livro do Hygge, de Meik Wiking. Procure-o ou adquira-o aqui.

5660ed8469ad3117bc9c720799ee717f.jpg



A ideia é transformar os momentos comuns em algo especial, colocando a tecnologia de lado (sim, este conceito defende que a tecnologia afasta as pessoas), através de rituais simples do dia-a-dia como acender a lareira ou velas para criar ambiente, preparar um café ou chá e usar aquela caneca preferida, estar em frente à lareira enrolado nas mantas ou simplesmente andar pela casa num domingo de manhã de pijama.
Hygge pode consistir numa reunião de família e amigos, num banho relaxante ou na leitura de um bom livro. O importante é o sentimento de bem-estar e satisfação. O inverno frio, ou o outono, ajuda a criar um ambiente propício hygge, afinal, o conceito nasceu num país nórdico, frio e pouco solarengo, mas não é por isso que as pessoas são menos felizes, muito pelo contrário. Mas, o hygge é praticado o ano todo, basta ir adaptando o conceito às épocas em questão.

ce124b25622a4224509298f5fed7a3c1.jpg

Mas digo-vos uma coisa - más notícias para a sociedade consumista - não é algo que possamos comprar (não estou a falar do livro ok?), é preciso investirmos tempo. É algo para ser sentido. É dedicar tempo a algo que nos faz feliz e que nos conforta. É como se esperássemos aquela noite de chuva para atingirmos o nível máximo de conforto e aconchego antes de dormir e aproveitar.


Algumas formas de aplicar o conceito hygge e relaxar um pouco:


Crie um ambiente acolhedor
Cuidar da iluminação para que seja acolhedora. Colocar uma boa música de fundo. Uma lareira seria o ideal, mas as velas são imprescindíveis. 

Evitar tudo o que rompa o conforto
Nada de falar de política ou de temas que podem causar tensão. É para estar em harmonia, ter um momento agradável de paz, por isso é proibido pensar em trabalho, nos problemas, no stress diário e na pressa. A televisão, o iPad e o telemóvel também impedem as conexões sociais com o hygge.

Pensar num menu que nos agrade
No outono e no inverno, os dinamarqueses não concebem uma noite sem uma bebida quente. Cozinhar em conjunto também é muito comum. Reúnem-se com a família e os amigos para preparar uma receita tradicional ou fazer um bolo. Os dinamarqueses apreciam grød, uma espécie de papa que os lembra a infância, porque o hygge tem também muito de nostalgia. O hygge pode também corresponder a comprar uns queijos e vinho e tomá-lo à luz das velas.

Ter presentes os nossos antepassados
Alguns dizem que o hygge tem a ver com fazer coisas que os antepassados reconheceriam. Os dinamarqueses concordam que está muito relacionado com as tradições e com atividades ou objetos que têm um grande valor sentimental. Tomar chá numa chávena da avó é muito hygge, ou abrir um móvel dos seus bisavós é como voltar a cheirar a casa dos avós.

Estar confortávelEmbora o hygge tenha mais a ver com desfrutar do que com os atos e as coisas em concreto, há elementos que ajudam. As velas, que dão calor e luz quando na Escandinávia domina a escuridão e o frio. A roupa cómoda, ficar na cama ao domingo debaixo do edredom por mais tempo do que o habitual, com um bom livro e um café. Enrolar-se no sofá com uma manta e uma chávena de chá ou chocolate quente, a ver um filme. 

Viver o momento
Uma comida e uma grande sobremesa com os amigos poderia ser hygge para nós, mas o que diferencia os dinamarqueses é que eles são capazes de identificar e nomear esse momento de bem-estar. Sabem o que está a acontecer e estão a desfrutá-lo, algo assim como um mindfulness permanente ao estilo nórdico. Encaixa muito bem com o slowliving, é algo quase budista. É viver o momento, desfrutar o agora.



Alguns diriam que é a arte de criar uma atmosfera simpática, seja onde for, onde o propósito é estar o mais confortável possível e fazer-nos feliz, a nós e a quem nos rodeia. Não há melhor lugar que a nossa casa para o fazer, certo? Embora consigamos colocar em prática o hygge onde quer que seja - o nosso lar é o nosso refúgio do mundo lá fora, quando temos um dia atarefado só precisamos de ir para o nosso cantinho do mundo, onde conseguimos desfrutar e relaxar.

A meu ver, o momento mais hygge em Portugal é o Natal. Move mundos e fundos e conseguimos juntar a família num espaço onde arranjamos com todo o coração - e com algumas chatices que fazem parte - com decorações que fazemos questões de manter presentes e, claro, não pode faltar a lareira acesa. Parece cliché, mas já estamos tão enraizados com este tema natalício que não damos pelo que estamos realmente a fazer, segundo os dinamarqueses, sim, o natal é muito hygge.

a73b01a6ae2b9041f61e6a16442268df.jpg


Ter tempo ativo para desfrutar de qualidade de vida, e obtê-lo através de gestos simples, são a essência do hygge, uma atitude hedonista que não conhece luxos e justifica que a Dinamarca seja o país mais feliz do mundo.

Dá vontade de vestir o pijama agora mesmo, enrolarmo-nos nas mantas e escolher um bom filme, não é? Aproveitem não só o domingo (que é mais ou menos a nossa tradução de hygge) mas todos os dias da semana para se aconchegarem e serem mais felizes.

Deixo-vos mais fotografias para se inspirarem no vosso momento hygge aqui.


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.