Descer das cavalitas dos outros

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

"Só mais um pouco" -- Haz abusando de Cyan

Há alturas em que percebemos. Percebemos que tudo na nossa vida depende de nós. Que é maravilhoso ter amigos e família, pessoas que gostam realmente de nós e que nos apoiam, alguém com quem gostamos de passar os fins de tarde e as épocas festivas. É bom. Mas toda a gente tem a sua vida, e nós não nos podemos dar ao luxo de ir às cavalitas dos outros o tempo todo. Há alturas em que devemos estar gratos pelas pessoas bonitas que temos, e aceitar que elas não têm que estar sempre ali para nós, bem dispostas e com um sorriso na cara, como se não tivessem problemas nem precisassem do seu tempo.
Não faz mal encararmos as coisas sozinhos de vez em quando. Não faz mal sentirmo-nos desamparados. Não faz mal às vezes achar que o mundo girou contra nós e que não há mãos por perto para que nos possamos agarrar. A vida é feita em constante equilíbrio, e se tudo fosse um mar de rosas, de que eram feitas as aprendizagens?
Não é pelas tuas pessoas não estarem lá a toda a hora e momento que signifique que sejam uma desilusão, nem é por elas prometerem que podemos contar com elas que as irão fazer estar aptas para tal. Não julguemos o que vai dentro do outro, nem exigemos tanto das nossas pessoas. A única pessoa com quem podemos realmente contar é connosco, e só isso. Aqueles que nos conseguirem acompanhar no processo, serão pessoas a quem devemos agradecer, e não julgar ser obrigação.

Join the conversation!

  1. Que bonito, o que escreveste, Joana!
    Concordo muito com isso e denota maturidade!
    Pessoalmente sempre gostei tanto de estar com quem me é querido como de estar sozinha. Sempre precisei desse equilíbrio.
    Sei que não é assim com toda a gente, que há quem prefira sempre estar acompanhado, e não há certo nem errado nisso, mas há que aceitar bem que nem sempre esteja lá alguém para nós e que saibamos viver bem connosco mesmos,sem depender de ninguém para estar bem! :)

    Um beijinho,

    Sofia | Monochromatic Wave

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada minha querida Sofia ❤
      Não sabia que tinhas um blog! Vou espreitar, um beijinho

      Eliminar
  2. Confesso que antes ficava super sentida por determinadas pessoas não falarem comigo num dia, quando eram elas que me colocavam para cima e foi aí que comecei a ver o meu erro. Atualmente já lido melhor. Sei perfeitamente que não é necessário nos falarmos todos os dias para estarmos na vida dessas pessoas. Quando temos algo a partilhar partilhamos, e por assim vai. Devemos sim ter imenso equilíbrio. Saber também estar na nossa própria companhia. Não depender dos outros (algo que tinha também era isto). Conseguimos tudo também sozinhos. Não devemos ficar tristes devido a isso. O mundo segue. Não deixamos de nos importar só porque ficamos semanas sem falar com alguém. Como sempre, nem preciso dizer que gostei da reflexão pois não? Beijinhos 💛

    ResponderEliminar
  3. Com o tempo, vamos percebendo que nem sempre poderemos contar com as pessoas que disseram que estariam sempre lá, para todos os momentos. Tal como disseste, não podemos esperar que nos amparem sempre que tropeçamos, pois todos nós temos a nossa própria vida. Temos de saber dar espaço aos outros, para que ganhemos o nosso espaço também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não há mal nenhum nisso porque, até nós, por vezes nos esquecemos de amparar quem por vezes precisa. A vida é isto 💛

      Eliminar
  4. Gostei tanto do texto Joana, revi-me imenso nas tuas palavras, porque tenho passado por demonstrações da vida sobre isso mesmo.
    Obrigada!

    ResponderEliminar

Instagram

© Joana Rito | O Blog. Design by FCD.